10.3.07

RØCIPES

Açorda à Alentejana
à moda de 1997 [recuerdo académico]

Em primeiro lugar, queria dizer que a açorda à Alentejana, latu sensu, é o meu prato de gastronomia regional portuguesa favorito. É o mais enigmaticamente perfeito, de tão simples e eficaz que é. E é também, possivelmente, um dos pratos da gastronomia regional portuguesa que melhor se presta a inovações nouvelle cuisine (como aliás quase toda a gastronomia Alentejana). Se existir um equivalente gastronómico para a arte povera, será este. Em segundo lugar, queria dizer que aprendi a fazer açorda à Alentejana com uma ex-companheira de casa chamada Mónica, natural de Portalegre, que me garantiu, há justamente 10 anos atrás, que estava a fazer a receita original. Esta semana tentei relembrar-me, e o resultado foi este:

Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket

Ponho a ferver um litro e meio de água. Num almofariz, esmago seis dentes de alho com uma pitada generosa de sal grosso, um fio generoso de azeite e um molho ainda mais generoso de coentros frescos, até obter uma pasta quase homogénea. Coloco a mistura num recipiente para sopa e deito-lhe em cima a água a ferver. Tapo e reservo. Entretanto, escalfo dois ovos e corto fatias grossas de pão Alentejano. Sirvo a sopa com o ovo escalfado dentro e o pão à parte, para ir o mergulhando na sopa como bem entender ao longo da degustação. Nota importante: as quantidades de alho, coentros e azeite são bastante flexíveis e adaptáveis ao gosto de cada um. Nota final: era capaz de comer isto todos os dias.