26.3.11

CHEF RÓ GOES ALENTEJO

SOPAS, SEM DESCANÇO

Sábado, 6 de Novembro. Almoçámos no restaurante Arado, um must-go montemorense, pela comida e pelo ambiente, nunca pelo atendimento... Mas porque não quero dar aqui uma de crítico da restauração do jornal Público, adianto que comi um dos meus pratos favoritos, e que é sempre um teste infalível à destreza do(a) cozinheiro(a): arroz de polvo! Este estava óptimo, e cheio de coentros! Nham!

À tarde filmámos o 7.º Festival das Sopas de Montemor-o-Novo, instalado no parque de exposições da cidade. Provar cerca de 20 sopas diferentes no espaço de duas horas foi uma experiência avassaladora. Decidimos dar tempo de antena maior ao Snack-Bar Pap'Açorda, onde comemos uma açorda de autor ("Açorda da Casa") que leva batata e bacalhau; um manjar absolutamente libidinoso que me fez ficar com vontade de repetir na cozinha da BlackBox... Não obstante, o primeiro prémio foi, sem discussão, para a Sopa de Fatias Azedas, um desafio gustativo hiperbólico e extravagante, feito de enchidos torrados, alho, ovos escalfados e desfeitos no próprio caldo, e muito vinagre. Das melhores bodegas que o meu estômago já recebeu em 32 anos de vida! Fomos embora para o Convento de barriga cheia e com vontade de voltar à noite... O resultado documental desta empreitada foi o mais visto de toda a temporada.










E depois de termos contado aos artistas presentes no Convento o que se andava a passar no parque de exposições, metade deles (os giros) decidiram ir jantar ao Festival das Sopas (os feios ficaram no Convento a deprimir). E o dia acabou com mais sopas, farinheiras grelhadas, doses cavalares de encharcada e de sericaia e os Balcãs a embebedarem-se até à morte e a misturarem-se com os locais na pista de dança.























   
Chef Rø
2010