10.4.15

À LA CARTE

MUSSELINE DE MANDIOCA
C/ PICADINHO DE BIFE DA VAZIA

por Chef Strapazzolli





Um oceano e mais de 8 mil quilômetros me separam do meu país, e uma das coisas que mais sinto falta é a comida. O Brasil tem uma riqueza e variedade imensa de alimentos e um dos meus favoritos é a mandioca, também conhecida por aipim, macaxeira e outros nomes de origem indígena. Gosto de dizer que mandioca (assim como açaí, tapioca, etc.) é comida de índio. É uma raiz, fonte de dois carboidratos diferentes, e não contém glúten. Uma maravilha culinária. Pode-se fazer chips de mandioca, fritar ou simplesmente cozer. Encontrei no Continente e resolvi preparar em forma de musseline, uma espécie de puré. Cozi a mandioca em água e sal. Quando um pouco da água evaporou (logo após a primeira fervura), ‘dei um susto’ na mandioca. Dar um susto consiste em acrescentar um copo de água fria — é o susto que a água fria dá na mandioca quente! Isso provavelmente é coisa que gente velha acredita: deixa a mandioca mais, digamos, macia. Isso aprendi com a minha mãe, que nem é tão velha assim. Melhor prevenir do que remediar. Deixei ferver novamente e já estava no ponto. O correto seria processar, mas na falta de um processador, bati a mandioca com creme de leite e uma colher de manteiga derretida no liquidificador até ficar com a textura de um purê cremoso. Adicionei um pouco de sal e a musseline estava pronta. Há quem opte por bater o creme de leite em chantilly, mas acho demasiado trabalhoso e no fim o resultado é quase o mesmo (com chantilly a musseline torna-se mais aerada). Eu servi com picadinho de bife da vazia, que é super tenro e saboroso. Picadinho todo mundo sabe fazer, não é? Alho, cebola, tomate, azeite, sal, pimenta, cheiro verde. Esqueci de dizer que a mandioca, além de ser deliciosa, também é de fácil digestão e fornece muita energia.

©Célio Strapazzolli
viva-radio.com/strapazzolli